quarta-feira, 5 de novembro de 2008

ACRÓSTICO


Carpinteiro poderei ser

Logo, a madeira irei lavrar.

Arquitecto? Não me desagrada.

Uma a uma, a pedra trabalhava,

Dia a dia sem parar.

Interessante seria a obra nascida

Onde as pessoas iriam morar.



Trabalho realizado por Cláudio Azevedo, no âmbito do Clube de Poesia.

Sem comentários: