terça-feira, 7 de abril de 2009

COMO SE FAZ O CORGUINHAS?







CEF A NA BARRAGEM DA AGUIEIRA



No passado dia 16 de Fevereiro, os alunos do CEF A partiram rumo à Barragem da Aguieira. Foram acompanhados pela Directora de Turma, professora Denise, pelo Coordenador do Curso, professor Eduardo e pelo Presidente do Conselho Executivo.
Todos estavam ansiosos para dar início àquela pequena grande aventura.
A visita foi guiada por um técnico da barragem e os alunos começaram por ver uma enorme turbina, a qual convertia a força da água em energia. Tiveram ainda oportunidade de visitar a sala onde vários técnicos procediam à vigilância da maquinaria. Aproveitaram, de igual modo, para dar uma volta pelo exterior e ficaram deslumbrados com a dimensão da barragem.
Esta visita de estudo foi uma forma divertida de aprender imensas coisas sobre a produção de energia.

Turma CEF A

VISITA DE ESTUDO 9º ANO

No dia 20 de Fevereiro, o 9º ano realizou uma visita de estudo à Sinagoga e ao Museu dos Transportes, ambos no Porto.
Durante a manhã estiveram presentes na Sinagoga, onde um guia lhes explicou e forneceu informações sobre os Judeus.
Na parte da tarde, a visita decorreu no Museu dos Transportes. Aí, os alunos puderam fazer várias oficinas, como por exemplo, a da rádio e da televisão. De seguida, viram o desenvolvimento da comunicação. Viram várias casas de diferentes anos e os meios de comunicação nelas usadas.
Por fim, viram a evolução do automóvel, desde os primeiros carros, até aos mais actuais. Enquanto visualizavam a evolução do transporte, os alunos simularam uma situação em que um pneu furou e aprenderam como se deve proceder, nessa situação, de acordo com o código da estrada.

Sílvia, Cátia, Cláudia, Carina e Diana – 9ºA

A AMIZADE


A escola poderá ser a grande promotora da amizade e da comunhão, enquanto comunidade aberta e preocupada às problemáticas dos jovens, da sua integração e do seu desenvolvimento como pessoas receptivas, abertas à novidade, críticas e livres. No entanto, a família é a primeira escola para as crianças e jovens e dela têm necessidade as sociedades civil e eclesial.
“O amor dos pais de fonte torna-se alma e, portanto, norma, que inspira e guia toda a acção educativa concreta, enriquecendo-a com aqueles valores de docilidade, constância, bondade, serviço, desinteresse, espírito de sacrifício, que são o fruto mais precioso do amor” (F.C. 36).
Crescendo num ambiente libertador, os jovens formam-se e crescem nos valores essenciais ao relacionamento e à vida interior. Crescem como homens capazes de dar e receber tranquilamente a amizade à sua volta.
Para tal é fundamental crescer:
· na liberdade diante dos bens materiais adoptando um estilo de vida simples e austero, convencidos de que o “Homem vale mais pelo que é do que pelo que tem” (G.S. 35);
· num sentido verdadeiro de justiça que por si leva ao respeito pela dignidade pessoal de cada um, ultrapassando os dogmas entre os diversos individualismos e egoísmos;
· no verdadeiro amor, como solicitude sincera e serviço desinteressado para com os outros;
· na sociabilidade, procurando os jovens, irmãos e irmãs, encontrar no seu ambiente familiar a imagem do que quererão ser no futuro e vão sendo já no presente. O amor entre marido e mulher, a comunhão e participação na vida quotidiana, na vida de casa, os momentos de alegria e dificuldade partilhados, representam a mais completa e eficaz pedagogia para a inserção activa e responsável dos jovens no mais amplo horizonte da sociedade;
· na sexualidade procurando fugir à banalização a que foi posta e encontrando o seu verdadeiro sentido integrado no amor e na realização global da pessoa;
· na verdadeira amizade que passa também por um diálogo construtor, uma verdade inspiradora de confiança e fonte de comunicação, uma humildade sedutora que faz cada um ser igual a si próprio e encantados para o outro.
Uma boa família, como bom espaço de comunhão, gera naturalmente elementos de comunhão, pessoas de diálogo, jovens que cultivam o sentido do outro e o valor da amizade. Famílias onde impera o egoísmo e cada um é uma ilha perdida, geram pessoas insatisfeitas, voltadas para si, tentando viver sós porque sós tiveram que crescer.
Ajudemos os nossos alunos a viver. A ser elos da cadeia de amor que vitaliza a vida humana. A estar com os outros e a construir com eles. A ser espaços de encontro na comunhão querida pelo nosso Deus.


ALFREDO MENDES DE VASCONCELOS,
PROFESSOR DE E.M.R.C.

LUA E ÍNDIA EM CONFRONTO


Um dia, reuniram-se Vasco da Gama e Neil Armstrong para debater qual das viagens tinha sido a mais importante para a Humanidade.
Estes famosos “descobridores” deram uma entrevista para o Jornal Escolar, o “Corguinhas”.

Corguinhas: Boa tarde. Estamos aqui para fazer uma entrevista com o objectivo de esclarecer os nossos leitores sobre qual das viagens foi mais relevante para o Homem, o alcance do outro lado do Hemisfério por mar ou a chegada do homem à Lua?
Corguinhas:
Vasco da Gama, como recorda a sua viagem até à Índia?
Vasco da Gama:
Para mim, foi um grande desafio alcançar, por mar, a terra das especiarias; este foi, sem dúvida, um feito difícil e inédito, visto que nenhum povo antes teve coragem para o fazer.
Corguinhas:
E você Neil, como teve a coragem de aceitar o desafio de ir à Lua e sair fora do nosso planeta?
Neil Armstrong:
Bem, desafios foi sempre aquilo que me fez respirar e sempre foi um grande sonho meu fazer aquilo que os outros consideram impossível!!!
Corguinhas:
Agora, queria saber quais os transportes que utilizaram para fazerem as vossas duras viagens.
Vasco da Gama:
A minha armada era constituída por quatro embarcações: a S.Gabriel, a S. Rafael, a Bérrio e a S. Miguel e levava comigo cerca de cento e setenta homens.
Neil Armstrong:
Eu realizei a missão Apólo 11, a bordo seguiam três pessoas e no dia 20 de Julho de 1969 pisei a Lua.
Corguinhas:
Ambos pensam que a sua viagem foi importante para a Humanidade. Podem-nos explicar porquê?
Vasco da Gama:
Penso que a viagem que realizei abriu novos horizontes ao Mundo; nós, portugueses passámos por mares desconhecidos, contactámos com povos de culturas diferentes e tentámos implantar no Oriente a nossa cultura, o nosso modo de vida…Resumindo, enfrentámos o mar e todos os seus perigos para enaltecer a Nação.
Neil Armstrong:
A viagem interespacial que fiz serviu para demonstrar que a inteligência do Homem não tem limites, o Homem quer, sonha, realiza e o Mundo avança.
Corguinhas: Obrigado pelo tempo que disponibilizam. Até uma próxima.
Entrevista elaborada por:
Kati Ferreira nº10
Marta Maltez nº 16 9ºD

A ORIGEM DO DIA DO PAI


O Dia do Pai celebra-se a 19 de Março. Esta é a data escolhida porque este é o dia de S. José, o pai de Jesus. Assim faz-se uma homenagem especial a todos os pais do mundo.
S. José, marido de Maria, era carpinteiro e vivia na cidade de Nazaré, na Galileia. Era um bom homem e aceitou ser o pai de Jesus. O culto de São José começou no século IX.
Não se sabe ao certo em que data José nasceu ou morreu, mas o papa Gregório XV, em 1621, referiu a data de 19 de Março como a da sua morte.
E assim ficou a ser o seu dia!
S. José tornou-se também o santo padroeiro (protector) dos carpinteiros, pela profissão que tinha.
O nome José vem do hebreu (Youssef) e significa "que Deus acrescente".


Joana Mota nº8 7ºE
Sara Castro nº19 7ºE

HISTÓRIA DO PAI


Num tempo sem tempo, num qualquer país, havia um rapazinho que vivia sozinho com o seu pai em grande harmonia.
O tempo foi passando e, naturalmente, o pai foi envelhecendo tornando-se mais dependente do filho. Quando o rapaz completou 18 anos, vendo que o pai já estava a ficar velho demais, decidiu levá-lo para um lar, longe de sua casa.
Então, certo dia, dizendo a seu pai que ia levá-lo a passear, levou-o até ao lar, sem nunca lhe dizer quais as suas intenções.
Quando deixou o pai, que não conseguia perceber o que se estava a passar, o rapaz voltou costas e ignorou-o quando este o começou a chamar. À medida que se afastava, começou a relembrar todos os bons momentos que passara com o pai e todos os ensinamentos que este lhe tinha transmitido. Então, voltou a cabeça e olhando para o seu pai, vendo tanta tristeza e lágrimas no seu rosto, pegou-lhe na mão e trouxe-o de volta para casa. Percebeu então que, tal como o seu pai havia cuidado de si quando era pequeno, também ele deveria agora ocupar-se de quem lhe dera tanto amor, carinho e atenção.
P aciente e compreensivo
A moroso, carinhoso e
I ncondicionalmente adorado. Sílvia Maltez,nº20 7ºE

DIA DO PAI


PAI
Hoje é o dia do pai,
o meu melhor amigo.
És aquele que não me deixa perdido.

Contigo posso contar
para brincar ou até estudar,
para rir ou para chorar.
É contigo que eu quero estar.

Foste tu que me educaste.
Foste tu que me ensinaste
para não ligar à cor
mas sim ao amor.

Maria Pimentel, nº15 6ºF

Poema do Dia do Pai
O dia do pai
É um dia de amor
Começa em P e acaba
em I e assim
se juntam as palavras
privilégio e inigualável.
Privilégio de ter um pai
E inigualável por ser Pai.

Adriana Ventura, nº 1 6ºF

A PÁSCOA

Este ano a Páscoa comemora-se no dia 12 de Abril, mas a Páscoa não se resume apenas a este dia.
Antes da Páscoa, existe um tempo de preparação ao qual se dá o nome de Quaresma.A Quaresma começa no dia seguinte ao Carnaval, ou seja, na quarta-feira de cinzas e dura sete semanas.
Na Páscoa, comemora-se a ressurreição de Jesus Cristo.
A população abre a porta para receber o compasso nas suas casas e para, assim, abençoar a casa e as pessoas para o resto do ano.
O compasso é constituido por cinco homens incluindo o páraco da freguesia, todos eles vestidos com opas vermelhas.
Um deles traz uma sineta para dar sinal que estão a chegar, outro traz água benta, outro a cruz de Jesus Crísto e o quarto traz uma pasta para recolher os envelopes que contêm uma quantia de dinheiro, ou seja, o folar para o padre.
É tradição as pessoas colocarem em cima das suas mesas as tradicionais amêndoas e ovos de chocolate, pão-de-ló, regueifa doce, vinho do porto, rolo de chocolate, fruta (principalmente laranjas) e à entrada da porta as pessoas espalham pelo chão feno e alecrim para a cruz de Crísto passar.
À volta da mesa estão as pessoas da casa, o padre faz uma oração e todas as pessoas dão um beijo na cruz. É, assim, que se comemora a Páscoa na religião católica.
Trabalho realizado por : Bruna Fonseca, Salomé Oliveira e Sara Correia. 7ºC

SÍMBOLOS DA PÁSCOA


Coelho - O coelhinho visitava as crianças, escondendo os ovos coloridos que elas teriam de encontrar na manhã de Páscoa. Assim se criou a tradição do coelhinho da Páscoa!
O ovo – O ovo representa nascimento e vida. Presentear pessoas com ovos é um costume de épocas remotas. Mais tarde, os ovos (de galinha) foram substituídos por ovos de chocolate.
O cordeiro – Jesus Cristo, desse modo, é tido pelos cristãos como o Cordeiro de Deus que foi imolado para salvação e libertação de todos do pecado.
A cruz – Representa o sofrimento do Cristo morto e a sua ressurreição. Ela não é só o símbolo da Páscoa, mas do cristianismo e da fé católica.
O pão e o vinho – São a vida eterna. Corpo e sangue, respectivamente, de Jesus, oferecido na última ceia aos seus discípulos.


Trabalho realizado por: Joana Freitas, Silvana Santos 7ºC /Bárbara Freitas 7ºF

FOLAR DA PÁSCOA

Aqui fica uma sugestão para todos os que gostam de cozinhar, sobretudo, coisas doces…


Ingredientes:
12 g de fermento de padeiro; 2,5 colheres de sopa de leite, 225 gr de farinha de trigo, 120 g de açúcar, 110 g de manteiga, 5 ovos, 1 gema, miolo de amêndoa q.b., raspa de limão q.b., 1 colher de sopa de açúcar de pasteleiro.
Preparação: Dissolve o fermento no leite morno e deixa levedar durante 10 minutos. Mistura muito bem a farinha com o açúcar e a raspa de limão, junta a manteiga levemente mole, 4 dos ovos e amassa muito bem. Junta a mistura do fermento e amassa. Deixa levedar durante 20 minutos. Coze o quinto durante 12 minutos.Divide a massa em duas partes iguais e estende-as em rolo. Enrola os rolos um no outro, com a forma de um torcido. Une as extremidades, colocando no centro do folar o ovo cozido. Deixa repousar durante mais ½ hora, pincela com a gema de ovo batida e polvilha com o miolo de amêndoa. Pré aquece o forno a 180º C. Leva ao forno durante 35 minutos. Depois deixa arrefecer um pouco e polvilha com açúcar de pasteleiro

Cláudio Azevedo e Filipe Oliveira, 7ºE

O VELHO E O MAR


A obra de Errnest Hemingway conta a história de um velho chamado Santiago que pescava sozinho num esquife na Corrente do Golf e, durante 84 dias, não apanhou nenhum peixe.
O velho era gozado pelos seus colegas, mas um rapaz admirava – o muito.
O pescador, para provar aos colegas e ao rapaz (Manolin) o que valia, parte sozinho para o alto mar em busca de um peixe.
Nos seus primeiros quarenta dias, o rapaz vai com ele; mais tarde, os seus pais não permitem que este continue a acompanhar Santiago.
Santiago parte somente com duas iscas dadas por Manolin. O velho pescador alimentava-se de peixes, esperando debaixo do sol escaldante, a conversar consigo mesmo. Era muita a paciência e a persistência… após muito tempo, um peixe enorme morde o isco. O peixe deu – lhe muita luta, mas o velho consegui matá-lo. Depois um grupo de tubarões detectou o cheiro a sangue e comeu o peixe pescado.
O velho, já sem forças, estava exaustado, cansado, ferido e apenas com o esqueleto do peixe, que ainda assim, lhe rende a admiração de todos.

Marta Costa, 9ºD

A PRIMAVERA CHEGOU



O Inverno foi-se embora
Agora está na hora
Do calor voltar
E de ver as borboletas no jardim a voar.

Ninhos nas árvores
Flores nos pomares
Prados floridos
E frutos nascidos

Há um cheiro diferente no ar
São as flores a desabrochar
É tempo das cultivações
E de cantar muitas canções.

As flores desabrocham
E perfumam o ar
O calor começa a chegar
E só nos apetece nadar.

Andorinha que vais alta,
Porque não me vens trazer
Qualquer coisa que me falta
E que te não sei dizer?

A Primavera chegou
Paira a alegria no ar
O mau tempo já passou
É tempo de animar.

Bruno, Valter e Joel

SE EU FOSSE . . . uma estrela do céu, uma onda do mar, uma gaivota, uma rajada de vento ou, até, a relva de um jardim, como seria, o que faria?
Alguns meninos do 5ºB criaram os seus textos, tendo dado asas à sua fantasia.

  • Se eu fosse uma estrela do céu, seria a mais brilhante e realizaria todos os desejos que me pedissem. Gostaria de ser, também, a mais bonita e a mais admirada!
    Alícia
  • Se eu fosse uma estrela do céu, gostaria de conhecer as outras estrelas e de observar os rios, as serras, os planetas…
    Se eu fosse uma estrela do céu, de noite, brilharia como um diamante e, de dia, dormiria profundamente.
    Carina e Juliana
  • Se eu fosse uma gaivota, voaria com todas as minhas forças, visitaria todas as praias do mundo e descansaria num local lindíssimo; regressaria, depois, ao lar, doce lar.
    Gonçalo
  • Se eu fosse uma gaivota, voaria muito alto, faria bons amigos, teria muitos filhotes e viajaria até aos países cheios de sol. A minha cor seria o azul.
    Carla
  • Se eu fosse uma onda do mar, ordenaria às outras ondas que se aquietassem e pediria à brisa do mar que perfumasse o ar com beijos salgados.
    Alfredo
  • Se eu fosse uma onda de mar, guardaria sempre comigo o tesouro mais precioso: a caixa dos tesouros. O seu conteúdo seria vital para a minha sobrevivência.
    Bruno e Emanuel
  • Se eu fosse uma rajada de vento, seria muito forte. As pessoas esconder-se-iam de mim, porque teriam medo de ficar doentes. No entanto, realizaria boas acções: limparia os jardins, refrescaria os animais, agitaria o mar por causa dos surfistas, ajudaria os passarinhos nos seus voos…
    Filipe
  • Se eu fosse uma rajada de vento, sopraria muito forte, até se ouvir a linda melodia das folhas.
    Vítor
  • Se eu fosse a relva de um jardim, gostaria de não ser calcada. Viveria rodeada de flores coloridas e de árvores majestosas. O meu jardim seria muito lindo!
    Ana Rita e Catarina
  • Se eu fosse a relva de um jardim, gostaria de sentir o perfume das rosas, de ouvir o cântico das aves e de sentir a alegria das crianças.
    Eduarda e Mariana

    E tu? Se tu fosses. . . Como serias? O que farias?


    Concurso de Leitura Expressiva


    5º B: Filipe Baptista Mota, nº 13
    5º C: Fabiana da Silva Pinto, nº 7
    5º D: Daniel Pereira Ferreira, nº 7

SABEDORIA POPULAR





VIDA

Para mim, a vida é um jogo que nem todos podem ganhar, onde uns têm a sorte de ter as cartas mais altas, onde também há batota, e acima de tudo, há aqueles que tudo ganham, e outros que tudo perdem, mas o facto de ganharmos, ou perdemos, depende muito de nós.
É óbvio, que na vida nem tudo é fácil, mas também que piada teria a vida, sem obstáculos? Às vezes parece-nos demasiado difícil lidar com eles, mas temos de aprender a ultrapassá-los.
Na minha opinião, para vencermos na vida, temos de ter confiança e segurança em nós próprios, temos de enfrentar os nossos medos, e também temos de arriscar. Algumas vezes podemos até cair, mas “fracassar não é cair, é recusar-se a levantar”, por isso mesmo quando caímos, temos de levantar a cara, e voltarmos ainda mais fortes, porque essas “pedras” (obstáculos), um dia vão ajudar-nos a construir um castelo” (vida feliz).
Há ainda quem diga “ que a nossa vida é a maior empresa, e que podemos evitar que ela vá a falência”, e eu partilho dessa opinião, porque muita gente não é feliz, porque assim o quis.
A vida é a coisa mais preciosa que temos, por isso devemos sempre agarrá-la e amá-la, nunca desistindo dela, porque quem desiste de uma vida só pode ter um nome, COBARDE.

Sílvia 9ºA

segunda-feira, 6 de abril de 2009

INQUÉRITO SOBRE MODA

O 8ºE elaborou inquéritos sobre Moda que foram distribuídos pelas várias turmas e tiveram um tratamento estatístico nas aulas de Área de Projecto do 1º/2º períodos.
Os resultados foram obtidos de 14 turmas, considerando por turma 1 aluno (delegado). Esta amostra teve por base 14 alunos no total e os resultados constam nas tabelas e gráficos seguintes:
1º O que achas da Moda?





2º O que é para ti andar na moda?



3ºConheces alguns estilistas? Se sim quantos? Quem?



Os estilistas que os alunos mais conhecem são:
1ºlugar
:Fátima Lopes;
2ºlugar:Ana Sousa;
3ºlugar:Augusto;
4ºLugar:Cristina Jorge.



4ºConheces alguns Modelos?



Os modelos que os alunos mais conhecem são:

1ºLugar:Rita Pereira
2ºLugar:Cláudia Vieira
3ºLugar:Isac Alfaiate

5ºGostarias de ser modelo?



8ºE

XUTOS & PONTAPÉS


Xutos & Pontapés, já lá vão 30 anos …

Os Xutos & Pontapés são a melhor e maior banda portuguesa.
Eles acabaram de comemorar 30 anos de carreira no passado dia 13 de Janeiro quando estavam a ter a sua tournée em formato acústico e a preparar o novo CD, com edição prevista para dia 6 de Abril.
A partir desta data, começará a tournée eléctrica e, no fim do ano, vão dar o grande «concerto dos 30 anos», no Estádio do Restelo.
Elementos do grupo:

Zé Pedro (guitarrista)


Tim (vocalista)

Kalú (baterista)
João Cabeleira (guitarrista)

Gui (saxofonista, pianista …)

Os fundadores da banda foram o Zé Pedro e o Zé Leonel.
A sua 1ª formação foi: Zé Pedro, Zé Leonel, Tim e Kalú. O Zé Leonel saiu pouco tempo depois da banda se formar.
Francis (guitarrista) entrou para a banda em 1981, mas saiu em 1983, cedendo o seu lugar ao João Cabeleira (que faz parte do grupo, ainda).
O Gui fazia alguns concertos com a banda, mas só mais recentemente entrou em definitivo.


PARABÉNS XUTOS!
Trabalho realizado por: Vanda Pinto, 8ºB, Mariana Guedes, 8ºB, Cátia Oliveira, 8ºB, João Alves, 7ºC e Ruben, 7ºC

ANEDOTAS


Um director de circo faz audições para encontrar novos talentos de circo.
-Então! - diz ele a um artista candidato. – Que é que sabe fazer?
-Eu sei imitar pássaros – disse o artista timidamente.
-Isso não interessa a ninguém – disse o director. – O seguinte.
-Lamento muito! Até à próxima – despediu-se o artista.
E voou pela janela.


Um polícia faz parar um automobilista que acaba de passar um sinal vermelho.
-Então, não viu o sinal vermelho?
-Sim, sim eu vi. O que eu não vi foi o senhor guarda.


Procura-se

AMIGOS: Peixe-gato deprimido procura peixe-rato.


CAMISOLAS DE LÃ: Ovelhas tosquiadas em pleno Inverno procuram quem lhes ensine a fazer camisolas de lã.


VOCAÇÃO: Sr. Mosquito procura trabalho como enfermeiro especialista em tirar sangue para análises.


RESTAURANTE: Pulga cheia de fome procura cão enorme.



Tiago, Ricardo, Miguel – 7ºC


Dizia um caçador lisboeta numa taberna do Alentejo:

- Hoje cacei 100 coelhos, 200 perdizes e 300 tordos.

Diz um alentejano:

- Atão vosemesse é tal e cal coma mim!

- Ah! Então o senhor também é caçador?

-Nã senhori, sou munta mentiroso...


Um alentejano vai a Lisboa comprar o seu Mercedolas último grito...À vinda, entra na Auto-Estrada do Alentejo, liga o rádio e ouve:

- Atenção!!! Louco desvairado em sentido contrário na Auto-Estrada do Alentejo!
E diz o Alentejano:

- Bolas! Não é um, são muitos!...


Estavam dois alentejanos num café, já bêbados, quando passa uma equipa de futebol de anões.Então um dos alentejanos vira-se para o outro:

-Ó compadre, quem é que deixou fugir os matraquilhos.

Márcio 7ºE Nº13